Blog Widget by LinkWithin
Connect with Facebook

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

A rotina das iguanas

Querido(a) bleader, me perdoe se estou repetitivo. É que a situação se me apresenta assim, espontaneamente, e, para que eu não morra de combustão instantânea, preciso liberar o gás sarin de alguma forma. Henri Lizardlover é um norte-americano apaixonado pelas iguanas (OK, OK, forço um pouco a barra; são lagartos, mas, também há iguanas).

O cara é tão fissurado pelos doces animais que mudou o sobrenome Schifberg para Lizardlover (amante de lagartos). Em 1988, Lizardlover teve a idéia de fotografar as iguanas em posições humanas. Para mim e para outras pessoas, é um aparente paradoxo, já que as iguanas são humanas e nunca duvidei disso (veja aqui o histórico delas neste blog).
Segundo o amante, as iguanas são bastante colaborativas e permanecem estáticas, em pose total, como algumas top models que eu conheço. No entanto, apesar da aparente meiguice, as criaturas têm um poderosa mordida, capaz de deixar marcas definitivas como tatuagens no couro de quem ousar se envolver com elas.

O lover tem 50 iguanas em casa. Harém, né! Há uma série de coincidências entre as iguanas de Lizardlover e aquelas que eu conheço nas ruas: o fotógrafo acredita que as iguanas têm personalidades diferentes e que seus comportamentos variam assim como o dos humanos. Concordo.

Em 1992, para formalizar de vez o amor à espécie, o norte-americano lançou o livro "Manual para os Donos de Iguana". Quem disse que iguana não tem manual de usuário? Para não encher mais a sua paciência com assunto tão sub-reptício, darei uma folga para as iguanas. Mas, não sem antes presentear vocês com cenas do cotidiano das fofas:


Filhos: há que se tratá-los com carinho, levá-los ao parque para tomar banho de sol, fazer a linha "mãe zelosa" e criar o rebento para que o bebê-iguana não tenha, na idade adulta, traumas de infância com imagens de uma progenitora histérica. De fato, você está cansada de ter que bancar a ama-seca do rebento, mas, apesar de você trabalhar o dia todo, ainda dá conta de chegar em casa, ver se o herdeiro fez as tarefas de escola, colocá-lo para dormir e levantar no dia seguinte, às 5:30 horas da manhã, para garantir que a mamadeira, a mochila e, enfim, o baby, estão todos nos devidos lugares. Sábado, você tem que pedalar por dois. O marido? Está bêbado, na padaria da esquina.

Apesar de todo o seu esforço, você admite, no seu íntimo, que a fome nunca passa. Academia, trabalho, sexo com o marido: nada é suficiente para te deixar magra feito aquelas malditas modelos da São Paulo Fashion Week. Às escondidas, às 3 da manhã, você toma de assalto a cozinha e come todo o estoque de carboidratos. E depois se lamenta porque a barriga, o quadril e as coxas não servem naquelas roupas que você insiste em comprar dois números abaixo do seu.


Tem horas que você se cansa da rotina e resolve sair com as amigas. É claro que a competitividade entre vocês - fêmeas - nunca cessou, de fato. Desde pequenas que brigavam para garantir que as respectivas maria-chiquinhas eram mais bonitas do que as da amiguinha. Agora, adultas, vocês fingem entre si. Você, que é uma mulher realizada: tem marido, filho e um emprego de sucesso. Elas, solteiras, fingem que dão para um macho diferente a cada noite e que têm vidas orgiásticas, com o mundo pela frente. Na verdade, você tem vontade de despachar sua vida para o Afeganistão e elas ficam sozinhas toda noite, com um garrafa de vinho (do chileno bem barato), um cigarro e choram por tudo e por nada, inclusive quando assistem o BBB.


Como se não bastasse a chateação que é cuidar da própria prole, sua melhor amiga jura que você adora o filhote dela. Então, tá! Apesar do ódio que nutre o seu coraçãozinho, você desencana e diz sim, posso cuidar da criança. Você sabe que se não o fizer, seu círculo de amizades não existirá mais. É a sua melhor amiga e, de fato, a única em que você pode confiar. Menos daquela vez que ela, bêbada, beijou seu marido. Mas, são águas passadas. E esse bebê tem a cara do meu marido, pensa você, distraída.


Tem dia que o maridão jura que é Bob Dylan e ataca de roqueiro. Coitado. Não percebe que o Serguei e ele, juntos, fazem uma triste figura. Você sente que, no íntimo, ele te olha com desdém porque, na cabecinha dele, tudo se resume a Woodstock, quando ele lá esteve e trepou pelado na lama com um monte de sirigaitas drogadas. Agora, visto dos anos 00 (2000, ok?), ele não tem nada a ver com Hair, inclusive não tem mais hair. A guitarra dele é uma piada que você e os amigos suportam. No fundo, você sabe que também não é nenhuma Luciana Gimenez para topar com um Mick Jagger que te engravide e te dê outra vida. O bom é que ele, depois de alguns acordes, fica violento com a falta de perspectiva, grita com todos e acaba indo para o quarto, deprimido. As visitas, finalmente, vão embora.

A despeito de todas as suas contradições, nada como o ombro do macho - amado ou odiado é o único que você tem (quando tem). Assim, de tempos em tempos - uma vez por mês - você não se faz de rogada e atua como aquela mulherzinha que conta com o suporte do provedor, segura e satisfeita. Nessa hora, tudo o que você tem que fazer é esquecer que o cafajeste não trabalha, não cuida do filho, belisca a bunda da empregada - na sua frente!!! - e vive feito um sultão. Mas, quando ele não tem nada melhor para fazer - futebol, bar, futebol, bar -, ele ainda é capaz de uma pegada. E você ainda sente aquele frio na espinha que te fez ficar verde na primeira vez. E o infeliz é louco para ter mais filhos e disseminar "a semente", como ele diz, bem ao estilo cafa. Só não sabe que você já fez laqueadura de trompas e isso está fora de cogitação. Mas, intimamente, você fica feliz porque seu homem quer ter mais filhos com você. Você é, definitivamente, uma iguana.

4 Comentários:

Patty Diphusa disse...

Olha s� o Lizardlover fez aquele iguan�rio que eu sugeri para aquela perua/iguana da Naomi. Mas ficou meio esquisito, n�o? Bom, se aquela mulher que esqueci o nome viveu com os gorilas pque n�o as iguanas, n�o?

Red, belisca a bunda da empregada na sua frente? Fala s�rio, e o tapa na cara, quem d� a mulher ou a empregada? Ou as duas? Afe

Bjs de sua rolling stones preferida. Ou vai dizer que tem outra? rs.

Redneck disse...

claro que tem outra, patty. é a própria luciana gimenez em si, que deu bandeira pro mick e está aí, poderosa, com o rebento do stone e não com aquelas pedrinhas que insistem em te incomodar. beijo!

Chefe das Iguanas disse...

Tentei abster-me de qualquer comentário sobre as iguanas nessas últimas semanas, já que o tema veio à tona várias vezes sempre em tom levemente mordaz e com pitadas de ironia. Agora, porém, dizer que cobras, lagartos e todo o tipo de ser rastejante é uma iguana, é um total disparate! Em tempo e como chefe das iguanas digo que isso já é provocação demais!!!!

Osc@r Luiz disse...

Adorei isso!
Bom, razões óbvias!
Um abraço!

Autor e redes sociais | About author & social media

Autor | Author

Minha foto
Redneck, em inglês, define um homem rude (e nude), grosseiro. Às vezes, posso ser bem bronco. Mas, na maior parte do tempo, sou doce, sensível e rio de tudo, inclusive de mim mesmo. (Redneck is an English expression meaning rude, brute - and nude - man. Those who knows me know that sometimes can be very stupid. But most times, I'm sweet, sensitive and always laugh at everything, including myself.)

De onde você vem? | From where are you?

Aniversário do blog | Blogoversary

Get your own free Blogoversary button!

Faça do ócio um ofício | Leisure craft

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!

NetworkedBlogs | NetworkedBlogs

Siga-me no Twitter | Twitter me

Quem passou hoje? | Who visited today?

O mundo não é o bastante | World is not enough

Chegadas e partidas | Arrivals and departures

Por uma Second Life menos ordinária © 2008 Template by Dicas Blogger Supplied by Best Blogger Templates

TOPO