Blog Widget by LinkWithin
Connect with Facebook

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Rastreio de cozinha - 4

Gift, em inglês, significa presente, dádiva. Gift, em alemão, significa veneno, peçonha. Daí que existe o conceito de dádiva-veneno. Aquele pelo qual você é "obrigado" a retribuir um presente porque alguém te deu algo. O veneno referido entra a partir do momento em que você recebeu um presente caro, acima de suas posses, porque a pessoa que o presenteou o fêz para mostrar poder econômico sobre você. Por isso, o veneno. Os alemães sabem muito bem dar significado às palavras.

E por que você diz "obrigado"? Porque você foi servido por alguém e tem que retribuir o gesto. Daí que você se sente "obrigado" a dizer obrigado. Tudo isso parece filosofia de quem viaja em temperos exóticos das Índias. Mas, calma, não é isso. Nós, aprendizes de gastronomia, prestaremos serviços a outras pessoas na condição (oxalá) de chef. Como tais, serviremos a outras pessoas e teremos que, em algum momento, agradecê-las por desejarem - e pagarem por - nossos pratos. Nesse momento em que sirvo o outro, assumo uma postura de serviçal. Ainda que eu não goste da outra pessoa (seja por qual motivo for), eu estou, no nível da prestação de serviços, abaixo do outro que é servido, goste ou não da posição subalterna. Nem percebemos que no dia-a-dia isso ocorre constantemente. Mas, é assim.

Serviço vem de servir e servir denota um degrau hierárquico entre quem serve e quem é servido. A pessoa que é servida me paga (pelo menos aqui, neste contexto) e eu, por alguns momentos, no registro da relação entre dois humanos, me submeto ao outro.

É claro que há inúmeras maneiras de servir. "Eu te sirvo", pode significar que eu sou o seu tamanho, de uma forma pejorativa, digamos, sexual. De uso do corpo. Ficaria mais ou menos assim: "Te servir-me-hei!". Parece pomposo, mas, garanto que você entendeu direitinho. Posto isso, fica claro que, na vida, sempre estamos a serviço de alguém ou prontos para sermos servidos por alguém. E seja qual for a posição, de serviçal ou servido, suserano ou vassalo, o que importa é o conjunto da relação, e não quem é o macho alfa ou o macho ômega desse serviço todo (claro que falo da natureza humana e, portanto, pode bem ser fêmea alfa e fêmea ômega ou, ainda, fêmea alfa e macho ômega etc. etc.).

No entanto, estou aqui a elaborar digressões complicadíssimas para simplesmente reportar as minhas aulas desta quinta-feira, dia 28. Você pode pensar que além de gastronomia, debatemos longos ensaios filosóficos como se atenienses nós fossemos. Não é bem assim. As disciplinas deste quarto dia de aula foram duas: Projeto Interdisciplinar, que, desde o ano passado, é a disciplina responsável por nos orientar para a preparação do famigerado TCC (Trabalho de Conclusão de Curso); e Geografia Aplicada à Gastronomia, de onde veio toda a idéia para o texto acima.

O tema do post me surgiu ainda durante a aula (foram as duas últimas), quando o professor de Geografia Aplicada à Gastronomia explicou o conceito de ciclo da dádiva, pelo qual você se sente obrigado a retribuir um presente quando ganha algo e que gera todo o comportamento sócio-hierárquico que eu descrevi acima. Puxei pelo assunto quando o professor disse que presente em inglês era veneno em alemão. Tudo isso para nos ensinar que o nosso futuro trabalho consiste em, tão somente, servir. Prometo dar atendimento de primeira quando (e se) for chef. Por enquanto, aguardo atendimento (de inúmeras maneiras). Não, não é equívoco: o "dar atendimento" é proposital e, a bom comedor, meia torrada fala por uma baguete inteira.

Mas, por que a geografia se intromete com a gastronomia? Porque jornalistas burros como eu (foi o professor que o disse, sem saber que sou jornalista) continuam a falar de restaurantes mediterrâneos como se todos o fossem. Não, não é apenas a gastronomia espanhola que é mediterrânea. A Normandia, na França, também pode ser. O Mar Mediterrâneo é extenso o suficiente para abarcar um grande número de regiões e a definição de cozinha mediterrânea não cabe num só caldeirão para onde se jogam todos os peixes e frutos do mar. Burro devo ser mesmo porque, se tivesse que escrever sobre a cozinha mediterrânea, me limitaria a pensar logo em azeite, peixe, frutos do mar e Barcelona.

Por isso, teremos geografia. Que explicará porque determinadas regiões do globo produzem o melhor grão de café do mundo. Que ensinará porque o sorvete é mais consumido em países de clima frio. Que, creio, tentará nos fazer entender porque há bacalhau nos mares gelados e não aqui. E porque as trufas somente nascem na Europa. É tanto porque que o mapa-múndi deve ficar coalhado de interrogações antes mesmo que nossos estômagos zunam feito asnos desembestados diante das maravilhas gastronômicas que as diferentes geografias são capazes de produzir.

Agora, o TCC, nem falarei mais disso por ora. É tão chato quanto deve ter sido o seu próprio projeto, qualquer que tenha sido a faculdade. É obrigatório, conforme as normas do Ministério da Educação. Portanto, sim, teremos banca de avaliação. E o TCC? Ah! O TCC caminha a passos gastos de tartaruga velha desde o ano passado. No decorrer do ano, tenho certeza que xingarei o TCC inúmeras vezes.

Ao contrário dos dias subsquentes, a gastronomia parece, neste relato, mais deslocada do que uma asa de frango revirada pelo avesso. Calma! A geografia é tão importante para a gastronomia quanto o é para as demais áreas. Ou, então, não teríamos o caviar do Irã, o jamon da Espanha, a pasta da Itália, todas as especiarias da Índia e por aí vai. Quanto ao TCC, humpf!

(Rasteje: Se você leu o post de ontem (e se não leu, faça-o, agora!), te contarei que, no final, o vermelho prevaleceu sobre o verde. Me afundei, sim, no pote de geléia de pimenta vermelha. Agora, para você ficar com água na boca: compre um pote de geléia de pimenta vermelha (marca boa, por favor), compre o legítimo Catupiry (da marca Catupiry porque o resto é imitação) e torradas leves e crocantes. Sirva para seus amigos como se fossem canapés. O modo de servir ideal é dispor o queijo inteiro num prato, a geléia numa compoteira e as torradas numa bandeja. Não sobra nada e vai bem com bebidas as mais diversas (de chá a destilados). Você não imagina o quanto vai bem a combinação apimentada da geléia com a cremosidade do Catupiry e a crocância da torrada. Experimente!)

5 Comentários:

Patty Diphusa disse...

Ai, n�o consigo acompanhar.

Estou com fome.

bjs, saudades..

man in the box disse...

fiz leitura dinamica no txt / mto longo / gostei da dissertacao sobre o servir / entao fazes gastronomia / tress interessant

leve&solto disse...

Red querido, tô achando um perda de tempo ir ao Fran's...rs
Acho que prefiro a torrada... Quem vai servir?
Já vou adiantando, sou uma ótima cozinheira, mas de comida caipira. Deixo a sofisticação pra vc executar e eu degustar... rsrs

bjs (estou adorando o resumo de suas aulas, tenho muito que aprender nessa vida..rs)

Mara

Redneck disse...

Patty, hoje faz 3 semanas. Será que nos reconheceremos? Beijo!

Man, em uma ocasião, no seu blog, deixei um recado equivocado. Te confundi com o leitor (seu também) marco*. Vocês não são a mesma pessoa, não? Os textos longos foram só esta semana, introdutória. Semana que vem, são aulas práticas e eu duvido que terei energia para escrever tanto depois de 4 horas dentro de uma cozinha quente. Abraço.

Mara, com Fran´s ou não, é certo que a comida estará presente na nossa mesa quando promovermos o nosso encontro. Obrigado pelo incentivo. Beijo!

Sig Mundi disse...

Estou colocando minha leitura em dia!

Vou usar essa sua idéia pra receber uns amigos, com certeza fará sucesso!

bjs, andrea

Autor e redes sociais | About author & social media

Autor | Author

Minha foto
Redneck, em inglês, define um homem rude (e nude), grosseiro. Às vezes, posso ser bem bronco. Mas, na maior parte do tempo, sou doce, sensível e rio de tudo, inclusive de mim mesmo. (Redneck is an English expression meaning rude, brute - and nude - man. Those who knows me know that sometimes can be very stupid. But most times, I'm sweet, sensitive and always laugh at everything, including myself.)

De onde você vem? | From where are you?

Aniversário do blog | Blogoversary

Get your own free Blogoversary button!

Faça do ócio um ofício | Leisure craft

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!

NetworkedBlogs | NetworkedBlogs

Siga-me no Twitter | Twitter me

Quem passou hoje? | Who visited today?

O mundo não é o bastante | World is not enough

Chegadas e partidas | Arrivals and departures

Por uma Second Life menos ordinária © 2008 Template by Dicas Blogger Supplied by Best Blogger Templates

TOPO