Blog Widget by LinkWithin
Connect with Facebook

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Amores expressos/por espressos


Tenho uma amiga que me define de duas formas: ou sou completamente ansioso, e me atiro com toda sede ao pote e, no processo, quebro o pote, me machuco, a água cai e continuo com sede; ou faço a linha oriental, com os olhos baixos, respiração em suspenso, um pó de prilimpimpim para desaparecer do instante e fazer desaparecer também o próprio instante.

Não tem jeito. Sou dois e os dois são estranhos. Não consegui uma combinação de ambos ainda, a despeito de trabalhar para forçar um encontro entre essas duas metades tão antagônicas. O ideal seria conjugar um e outro e fazer nascer um terceiro, com uma timidez administrável, que seria vista como uma qualidade, um pequeno pudor. Um ruborzinho não atrapalharia. Antes, talvez, atrairia.


Mas, na prática do dia-a-dia, nada disso se concretiza. Ou tenho pressa, e apressado come cru, ou olho para o lado diametralmente oposto e corro o risco de ser definido como estrábico. Ou sou primata, com tacape na mão, ou um asceta que atingiu o nirvana e paira acima do mundo real. Como não dá para conciliar ambiguidades tão diversas, tenho que tomar providências.

Comento isso porque acabei de concluir que talvez eu tenha que andar com um notebook acoplado a mim e que, melhor no manejo das palavras quando escrevo, não devo mais falar, em absoluto. Voltarei ao velho tempo dos correios-elegantes, em versão modernizada na tela do note. Acabei de ler no Man In The Box sobre o aumento da frequência nos cafés de SP, em função das restrições alcóolicas da Lei Seca. Como sou velho frequentador de cafés e peregrino incessantemente na busca de amores expressos/por espressos, farei como alguns frequentadores relatados pelo MIM: entrarei mudo e sairei calado (por vezes, se devido, pelado).


Minha boca será a tela plana do note. Minhas palavras serão expressas, com ou sem espressos, por meio de windows de words. Nada mais. Serei um cyborg da palavra.

5 Comentários:

Patty Diphusa disse...

Eu não digo que às vezes as palavras são demais? Pior que digo, digo, digo....

E o expresso de amanhã, sinto muito, mas terá que falar, tá? Um expresso de palavras.

bjs

andarilha disse...

Dizem os mais velhos que em boca fechada não entra mosquito. Então, caríssimo, se optar por essa via, é só segurar o impulso e cuidar pra não mandar aquele e-mail raivoso antes de reler. Outro ditado dos mais velhos: palavra dita, não se volta atrás. Atualizado pra era cibernética seria: e-mail enviado, não se volta atrás.

Redneck disse...

Patty, mas, essa regra se aplica a nós também??? Então, tá! Quando a gente se calar, e porque a coisa tá séria! Beijo!

Andarilha, o duro é ter que fazer um curso de hacker para poder bloquear o e-mail errado no servidor do destinatário. Beijo!

figura-fundo disse...

Para bom entendedor, meia palavra byte !

Redneck disse...

Claro-escuro, exabit!

Autor e redes sociais | About author & social media

Autor | Author

Minha foto
Redneck, em inglês, define um homem rude (e nude), grosseiro. Às vezes, posso ser bem bronco. Mas, na maior parte do tempo, sou doce, sensível e rio de tudo, inclusive de mim mesmo. (Redneck is an English expression meaning rude, brute - and nude - man. Those who knows me know that sometimes can be very stupid. But most times, I'm sweet, sensitive and always laugh at everything, including myself.)

De onde você vem? | From where are you?

Aniversário do blog | Blogoversary

Get your own free Blogoversary button!

Faça do ócio um ofício | Leisure craft

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!

NetworkedBlogs | NetworkedBlogs

Siga-me no Twitter | Twitter me

Quem passou hoje? | Who visited today?

O mundo não é o bastante | World is not enough

Chegadas e partidas | Arrivals and departures

Por uma Second Life menos ordinária © 2008 Template by Dicas Blogger Supplied by Best Blogger Templates

TOPO