Blog Widget by LinkWithin
Connect with Facebook

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Do caos calmo ao caos. Ponto!

Nem bem cheguei e sou devidamente abalroado pelos ruídos da cidade que não cessa o burburinho jamais, faça chuva (e quanta chuva tem feito!) ou faça sol. Agora mesmo são 23 horas e uma equipe da prefeitura insiste em contribuir para o aumento de decibéis com a potência da britadeira no asfalto aqui da rua. Mal se ouve a TV!


Passei a tarde e parte da noite com uma amiga a quem não via há quase um ano e meio. Ela vive em Montreal e, de passagem por São Paulo, me disse estranhar a multidão nas ruas. Montreal tem cerca de 1,7 milhão de habitantes. São Paulo contabiliza mais de 11 milhões de moradores. Somente na festa da virada do ano, a Avenida Paulista concentrou estimadas 2,5 milhões de pessoas, ou seja, uma Montreal e meia em pouco mais de 3 Km de extensão!


Não é à toa que ao passar pelas calçadas da Paulista a minha amiga tenha estranhado a movimentação. Um ano e meio fora de São Paulo e dentro de Montreal, onde não é preciso brigar por espaço nas calçadas, deve mesmo provocar calafrios. A minha amiga também estranhou o aumento de carros na rua e isso é um fato: 2009 bateu o recorde de vendas de veículos.


Segundo dados do Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran), a cidade fechou novembro do ano passado com 6.698.004 veículos. Esse amontado de gente e de carros faz com que a poluição sonora e o estresse auditivo sejam a terceira causa de maior incidência de doenças do trabalho, atrás apenas de agrotóxicos e de doenças articulares. 


Isso porque somente refere-se a doenças do trabalho. Imagine o que todo esse ruído faz a cada um de nós que aqui vivemos e somos acordados por saltos altos no apartamento de cima, por alarmes que disparam às 4 horas da manhã, por helicópteros que sobrevoam a cidade a qualquer hora do dia e, por vezes, da noite. Ainda agora ouço gritos de vizinhos na rua de baixo (ontem presenciei uma briga que envolveu pelo menos três casas!).





(Foto feita a partir da janela do meu apartamento agora há pouco)


Minha amiga falou de uma placidez e da ausência desse amontoado de pessoas e barulho de Montreal e eu me recordei de quando estive na Finlândia e tive a mesma sensação: ruas estranhamente desertas, estações do metrô amplas para pouca ocupação (aqui, driblamos a lei da física e ocupamos, no metrô, o mesmo espaço em três ou quatro corpos onde deveria haver apenas um corpo).


Mas, você quer saber? Quando lá estive, senti falta justamente dessa aglomeração, dessa justaposição de camadas e camadas de gente que, afinal, fazem dessa cidade o que é: urbe, tão generosa quanto o úbere de uma vaca holandesa. Uma cidade que, como Roma, decerto que é uma loba que amamenta filhotes sem fim. Com força. Como diria meu irmão, "aqui (lá em São Pedro do Turvo), a gente vive no sistema bruto".


Bem, devo dizer que aqui (em São Paulo), vive-se no sistema bruto também. A diferença é que a brutalidade referida pelo meu irmão deve-se à rudeza da natureza e ao natural trabalho braçal que o campo enseja no interior. Em São Paulo, a brutalidade é de outra coloração. É formada por vigas de aço e vidro que faz com que o homem que permeia o meio torne-se quase que de aço também.


Somente para registrar, fui devidamente enxotado do longo corredor entre a Paulista e a entrada da FNAC por um nada simpático segurança que insistiu em dizer que aquele espaço era privado e que eu não podia fumar ali. Como se sabe, a lei antifumo permite que se fume em espaços não-cobertos (públicos ou privados). Como de onde eu estava eu avistava largamente o céu, deduzi que era espaço aberto.


Não sei se os arquitetos mudaram a definição de espaço aberto, mas fui intimidado o suficiente pelo segurança para sair do local. O prédio abriga a FNAC mas também, na maior parte, a Petrobras e outros órgãos federais. Como eu discuti um pouco antes de ceder, o segurança apenas argumentava que o espaço era privado. OK, estava no papel dele. Mas o espaço é público.


Contei a história para exemplificar a brutalidade a que me referi. O sistema bruto de São Paulo é esse: desinformação, intimidação, barulho. Caos, pois. Somente me questiono que efeitos - além dos óbvios - têm essa passagem do caos calmo para o caos. Estamos apenas no sexto dia do ano, o Dia de Reis, e, ao menos hoje, fui plebeu mais que tudo. OK, sou urbe. Então, está tudo certo.

6 Comentários:

pinguim disse...

Eu não conheço S.Paulo, nunca fui ao Brasil, com muita pena minha.
Gostaria de um dia visitar a tua cidade, mas tenho a absoluta certeza que seria impossível viver numa urbe dessa grandeza. Acontece o mesmo noutras cidades como Tóquio,algumas cidades chinesas de que nem sei o nome, Cidade do México, Cairo, aquelas imensas cidades indianas, e outras que tal.
Curiosamente já estive várias vezes em Londres, que tem uma população imensa e penso que me adaptaria com alguma facilidade.Aqui em Portugal, Lisboa é uma cidade que além de bela, é calma e embora eu viva não no centro, mas na chamada "grande Lisboa", a cerca de 12 kms, a vida aqui é mesmo calma; passam-se semanas que nem a Lisboa vou, mais por comodismo do que por outra razão.
Mas compreendo que, para uma pessoa habituada a esse ritmo de vida, lhe faça falta até certo ponto esse "caos" de que falas.
O homem é um animal de hábitos afinal...
Abração forte e amigo.

António Rosa disse...

Redneck

Conheço São Paulo e gosto da sua cidade. Aqui em Portugal não temos aglomerados assim. Tudo é mais calmo, excepto o trânsito de carros e nos dias de grande desafios de futebol. Qualquer pequeno ajuntamento, aqui, chama logo a atenção.

Abraço.

Mauri Boffil disse...

te confesso, tenho vontade de conhecer sua cidade

Redneck disse...

João, igualmente eu não conheço Lisboa ou qualquer outra parte de Portugal. Para não falar que desconheço totalmente, de Lisboa tive um vislumbre em escala de voo que me conduzia a Madrid. E foi só, infelizmente. De qualquer forma, não posso reclamar: fui devidamente apalpado na alfândega portuguesa e gostei (hehehehehe!). Quanto à grandeza de São Paulo, quando aqui cheguei, claro que tive um choque. Um verdadeiro choque de civilizações. Passar de uma cidade de pouco mais de 4 mil habitantes para uma metrópole de mais de 10 milhões é traumático. Eu não sabia nem tomar um elevador, para você ter uma ideia. Bem, mas somos, os humanos, camaleões, e a tudo nos adaptamos, malgrada a nossa vontade. E assim foi. Da mesma forma, quando retorno ao interior, sinto o estranhamento reverso e a falta de tudo o que caracteriza São Paulo. De forma que posso te afirmar: sou instável, totalmente. Quando estou aqui, quero estar na serenidade de lá. E, ao estar lá, sinto falta daqui. Complicado! Acho que vou é me mudar para a Europa e me acomodar em cidades que ficam a meio termo. E sim, somos animais de hábitos. Bastam poucos dias para que adotemos hábitos como se fossem da vida inteira. Beijo!

Redneck disse...

António, eu bem sei a diferença entre os aglomerados do lado de cá do Atlântico - América Latina, EUA - e os da Europa. As cidades europeias, exceto por algumas capitais e cidades badaladas estão bem longe desse tumulto que são as nossas próprias cidades aqui. Lisboa, por exemplo, tem pelo menos umas duas ou três cidades equivalentes apenas no Estado de São Paulo em termos de população. Abraço!

Redneck disse...

Mauri, no Natal eu vou te buscar e te levarei comigo. Feliz ano novo! Abraço!

Autor e redes sociais | About author & social media

Autor | Author

Minha foto
Redneck, em inglês, define um homem rude (e nude), grosseiro. Às vezes, posso ser bem bronco. Mas, na maior parte do tempo, sou doce, sensível e rio de tudo, inclusive de mim mesmo. (Redneck is an English expression meaning rude, brute - and nude - man. Those who knows me know that sometimes can be very stupid. But most times, I'm sweet, sensitive and always laugh at everything, including myself.)

De onde você vem? | From where are you?

Aniversário do blog | Blogoversary

Get your own free Blogoversary button!

Faça do ócio um ofício | Leisure craft

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!

NetworkedBlogs | NetworkedBlogs

Siga-me no Twitter | Twitter me

Quem passou hoje? | Who visited today?

O mundo não é o bastante | World is not enough

Chegadas e partidas | Arrivals and departures

Por uma Second Life menos ordinária © 2008 Template by Dicas Blogger Supplied by Best Blogger Templates

TOPO