Blog Widget by LinkWithin
Connect with Facebook

segunda-feira, 5 de julho de 2010

A dança da guerra

Fazer a dança da guerra é primitivo. Vem lá dos primórdios da humanidade. Os índios dançavam (dançam) antes do combate. Os zulus africanos dançam. Os maoris australianos dançam. Todos expressam na dança os movimentos que comporão a convulsão do guerreiro, feito um balé algo macabro.


Mesmo durante a II Guerra Mundial, não raro se promoviam bailes grandiosos na Europa nas cidades ocupadas para celebrar o que quer que fosse. Os militares de alta patente dançavam valsas vienenses como se expusessem, com isso, os méritos (contestáveis) de suas conquistas e batalhas vencidas.


Eis que, portanto, não é novidade dançar sobre o solo inimigo e proclamar, com isso, de uma forma sórdida, a rendição daquele solo, literalmente, aos pés de quem dança.


Foi o que fizeram seis soldados israelenses durante patrulha em rua de Hebron (Cisjordânia), em território ocupado que é reivindicado pela Autoridade Nacional Palestina. A despeito de declararem tratar-se de uma brincadeira, os militares de Israel deverão ser punidos. O vídeo - "Battalion 50 Rock the Hebron Casbah" - foi colocado no YouTube pelos próprios soldados neste último domingo e, horas depois, havia sido retirado. Mas já era tarde: diferentes versões circulavam pelo próprio YouTube, Facebook e blogs, como a versão abaixo.





No vídeo, os seis soldados ensaiam uma coreografia canhestra ao som de "Tik Tok", da cantora norte-americana Ke$ha, em pleno território ocupado de Hebron. 


Em outro vídeo polêmico, marines norte-americanos dançam "Just Dance", de Lady Gaga, e exibem armas, munições e uma pretensa descontração no Afeganistão e no Iraque, conforme você pode ver nas cenas a seguir, num mesmo ritual de ocupação e que significa, da mesma forma, a dança da guerra sobre o país ocupado:





Particularmente, prefiro a versão do ABBA, "Soldiers", feita para o balé ABBAllet, em 1984, numa versão dirigida pelo próprio ABBA. Abaixo, alguns fragmentos dessa versão.





De resto, dançar em solo invadido e ocupado é, de certa forma, quase como urinar no rosto do oprimido. É tão humilhante quanto.

2 Comentários:

pinguim disse...

O primeiro vídeo é grosseiro e verdadeiramente ofensivo.
O segundo é apenas umas das inúmeras adaptações das músicas da nova star LadyGaGa, que já começa a enjoar...
O terceiro vídeo é uma coreografia correcta baseada em aspectos militares, portanto perfeitamente aceitável.

Redneck disse...

João, olha só como a dança expressa os mais diversos sentimentos e pode, assim como outras formas de arte, ser usada das mais diversas maneiras. É claro que eu fico com o ABBA, que amo e que foi o único, nos vídeos, que respeitou a dança, que eu também amo. Beijo!

Autor e redes sociais | About author & social media

Autor | Author

Minha foto
Redneck, em inglês, define um homem rude (e nude), grosseiro. Às vezes, posso ser bem bronco. Mas, na maior parte do tempo, sou doce, sensível e rio de tudo, inclusive de mim mesmo. (Redneck is an English expression meaning rude, brute - and nude - man. Those who knows me know that sometimes can be very stupid. But most times, I'm sweet, sensitive and always laugh at everything, including myself.)

De onde você vem? | From where are you?

Aniversário do blog | Blogoversary

Get your own free Blogoversary button!

Faça do ócio um ofício | Leisure craft

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!

NetworkedBlogs | NetworkedBlogs

Siga-me no Twitter | Twitter me

Quem passou hoje? | Who visited today?

O mundo não é o bastante | World is not enough

Chegadas e partidas | Arrivals and departures

Por uma Second Life menos ordinária © 2008 Template by Dicas Blogger Supplied by Best Blogger Templates

TOPO