Blog Widget by LinkWithin
Connect with Facebook

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Olha o rapa!


De repente, dez, vinte, 30 camelôs passam com trouxas na cabeça, sacos de mercadorias, tabuleiros improvisados e espécies de cabides e gritam, a plenos pulmões: "Olha o rapa! Olha o rapa!".

Os consumidores se afastam e dão passagem para os camelôs, os vendedores informais que tomam todos os espaços possíveis: calçadas, ruas liberadas apenas para os pedestres e qualquer outro canto onde puderem se acomodar.


Não há espaço quase para o consumidor. Há que se dividir todos os cantos da rua com as dezenas de carrinhos, dos mais variados tipos: de milho verde, de doce, de salgadinhos, de café e também com as barracas autorizadas.

Nos espaços onde podem circular veículos, os motoristas passam irritados e, volta e meia, alguém acelera ou xinga a multidão. Melhor não fazer isso: o populacho pode se voltar contra o motorista e não se sabe o final.


O rapa passou e a calma volta. O rapa é sinônimo de caçador de camelôs, vendedores informais que vendem desde descascadores a despertadores, roupas, óculos, perfumes, mochilas, pequenas e grandes bugigangas, CDs e DVDs piratas e mais uma tralha que daria para encher um estádio. Tudo trazido do Paraguai, made in China, Taiwan e outros países orientais.

Nessa época, a predileção é por enfeites de Natal. Há Papais Nóeis os mais diversos: dos que escalam paredes aos que cantam em inglês. As luzinhas chinesas ainda predominam, tanto nas lojas autorizadas quanto nas bancas de camelôs.

Passa-se cerca de meia hora e o rapa - oficialmente, o rapa é a Guarda Civil Metropolitana da Prefeitura de São Paulo - volta. Parece que com reforços. Uns 20 camelôs disparam e alguns comandantes das tropas dos camelôs (muito bem organizados) emitem gritos de comando: "Vai, vai, vai, Bahia! Anda, Ceará!" Para quem não sabe, Bahia, Paraíba, Ceará, Pernambuco e outros nomes de estados brasileiros designam o nordestino de forma genérico e, logo, o camelô.


De novo, os consumidores se espremem e riem. Na verdade, todos riem. Até eu acho engraçado. Enquanto o rapa acontece, todo mundo grita, ri e corre. Quando o rapa aparece, enfim, entidade anônima até então, é mais risível ainda: contra quinhentos, dois mil camelôs, são apenas quatro ou cinco "rapas"!

O rapa libera-nos, a todos, para a contravenção. Para rir da autoridade fardada. A própria autoridade que passa impávida, porém, se observada de perto, se ri também. O rapa é libertador. Dá vontade de transgredir junto com o camelô e correr da polícia. De forma ostensiva e aos gritos.

(Essa foi a minha experiência nesta sexta-feira na 25 de Março e arredores. Entre um rapa e outro, comi um maravilhoso pastel de bacalhau e tomei caldo de cana no Mercado Municipal)

6 Comentários:

La Voyageuse disse...

Re,

Nao eh uma experiencia antropologica?

Anônimo disse...

Olha, para mim não só é uma experiência antropológica, como uma experiência sociológica...lolo

Adoro os teus pormenores, essas tuas "aventuras", esse teu olho clínico para o episódio, para o relato...

Adorei!
Obrigada!

Ana

Redneck disse...

La Voyageuse, é, quase, uma antropofagia, na verdade. Beijo!

Redneck disse...

Ana, parecemos, ao final, índios tolhidos pela selva de pedra. Ao que me resta concluir que saímos da floresta para guerrear em trilhas urbanas. As tribos permanecem, apenas os índios se vestiram. Beijo!

Denise disse...

Ah como eu queria estar nessa peregrinação com você.. Eu teria adorado, você bem sabe!
Bj. Denise

Redneck disse...

Denise, me lembrei imediatamente daquele outro acontecimento: "enquanto você ver as nucas na sua frente, continue firme e forte; se as nucas se voltarem e você começar a ver os rostos, corra, corra muito". Não foi bem o caso, mas, que eu senti que, em algum momento, muitas nucas transformaram-se em rostos. Beijo!

Autor e redes sociais | About author & social media

Autor | Author

Minha foto
Redneck, em inglês, define um homem rude (e nude), grosseiro. Às vezes, posso ser bem bronco. Mas, na maior parte do tempo, sou doce, sensível e rio de tudo, inclusive de mim mesmo. (Redneck is an English expression meaning rude, brute - and nude - man. Those who knows me know that sometimes can be very stupid. But most times, I'm sweet, sensitive and always laugh at everything, including myself.)

De onde você vem? | From where are you?

Aniversário do blog | Blogoversary

Get your own free Blogoversary button!

Faça do ócio um ofício | Leisure craft

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!

NetworkedBlogs | NetworkedBlogs

Siga-me no Twitter | Twitter me

Quem passou hoje? | Who visited today?

O mundo não é o bastante | World is not enough

Chegadas e partidas | Arrivals and departures

Por uma Second Life menos ordinária © 2008 Template by Dicas Blogger Supplied by Best Blogger Templates

TOPO