Blog Widget by LinkWithin
Connect with Facebook

sábado, 25 de setembro de 2010

Ilha de Man

Esta semana, escrevi uma pequena matéria para o serviço online da publicação em que trabalho e citei a Ilha de Man. De fato, eu a verti para o português, a Ilha do Homem. A Ilha de Man (Isle of Man) é quase um montículo localizado entre a Inglaterra, a Escócia e a Irlanda do Norte.


Antes, era um reino nórdico, estabelecido pelos vikings. Depois, a Noruega cedeu a Ilha para a Escócia e, por fim, o local foi transferido para a Coroa Britânica. Tem uma área total de 572 km2, 48 km de comprimento e, em alguns lugares, a largura chega a 24 km. A população, conforme dados de 2006, é de pouco mais de 80 mil pessoas.


Formalmente, a Ilha de Man não faz parte do Reino Unido, é uma dependência da Coroa Britânica. E, por isso, a defesa e as relações externas são de responsabilidade do governo britânico. Uma organização extraparlamentar, Mec Vannin (filhos de Man) pretende alterar o estatuto da ilha e elevá-la a república soberana independente. Devo ter ouvido falar da Ilha de Man umas duas ou três vezes até aqui. Quando escrevi a nota a que me referi, foi com surpresa que encontrei o nome da Ilha entre os demais países.




(bandeira da Ilha do Homem)

Mas, a Ilha não é o meu foco, é apenas o nariz de cera (introdução do post). Passa-se que, assim que a nota foi ao ar, um leitor escreveu um comentário e alertou que nem ele nem qualquer outra pessoa que ele conhece chamaria a Ilha de Man de Ilha do Homem. Ou seja, eu havia escrito errado o nome da Ilha.
E me ocorreu que as pessoas - eu, você e todos, provavelmente todos os seres pensantes que habitam esse mundo - são bem rápidas em apontar incorreções, erros, equívocos e informações sobre as quais não têm certeza. Apontamos (e eu me incluo sim) rapidamente, ainda que não tenhamos ao menos checado se a informação que supomos deter é, definitivamente, a correta.


Pois o leitor assim agiu, por certo sob a guarida da convenção que determina que a Ilha de Man é Ilha de Man, e não, nunca Ilha do Homem. E mais não disse, não apontou fundamentos para o seu próprio comentário. Eu, particularmente, não respondi ao comentário. O serviço é da empresa e, para falar a verdade, não sei bem como é responder diretamente ao leitor sem argumentar e entrar em searas outras, longas como este post. Por isso, me calei. E note que eu não assino a matéria do serviço online.


Contudo, depois fiquei a pensar que muitas vezes, na minha vida, erros e incorreções que eu cometi me foram imediatamente apontados. Meu pai costumava gritar quando eu fazia algo errado ou diferente daquilo que ele supunha certo. Sempre me lembro disso. Não havia negociação. Era apenas de um jeito, do dele. E o apontamento era sempre rígido, sem maiores rodeios.


Depois, quando comecei a trabalhar no mercado formal, continuei a ouvir das mais variadas pessoas sobre algum serviço que eu havia feito e que estava errado. Ou apenas que não tinha sido feito conforme um determinado padrão. O padrão, no caso, é sempre da pessoa que está imediatamente num nível superior ao seu - pai, padrasto, chefe, o motorista do táxi (que detém o poder de me dirigir), o gerente do banco (que decide sobre minha eventual saúde financeira), o motorista (quando estou pedestre) e assim por diante. Há uma hierarquia da qual não se consegue fugir.


De sorte que, de tempos em tempos, erros, incorreções e equívocos me são apontados por todo lado. Claro que, por minha vez, eu os aponto também e o cachorro, como elo final da cadeia, deve correr atrás do gato para se vingar do humano. O gato vai atrás do rato que, por outro lado, rói tudo o que o humano faz. E assim, num círculo verdadeiramente monumental, comemos a própria calda e nem nos damos conta.


O que me chamou a atenção não foi o puxão de orelha do leitor. Foi o outro lado. Pouquíssimas vezes, raras mesmo, ouvi o contrário. Que o trabalho estava correto, que a informação havia valido a pena, que a matéria atendia determinada demanda, que o pasto roçado havia ficado segundo a vontade do meu pai. Não, isso é raro de acontecer. Eu podia carpir uma roça inteira (e eu o fazia) e me orgulhar do meu trabalho (e eu me orgulhava). Meu pai, no entanto, nunca disse uma palavra de retorno. OK, em sua defesa, posso dizer que foi assim que meu avô o tratou e era assim que ele imaginava que as coisas deveriam ser. Mas bem cedo eu era carente dessa afirmação positiva, desse reconhecimento, ao menos uma vez, de que tudo estava certo.


E isso, assim como o dedo apontado sobre os erros, continuou pela minha vida profissional. Você comete 9 acertos e 1 erro. E será para sempre lembrado por esse erro. Os acertos nunca são bons o bastante para se sobrepor aos erros. Jamais. Se eu informei bilhões ao invés de milhões, em matéria de qualquer coisa, cairão por cima de mim a fonte, o editor, o leitor e até mesmo colegas. É obrigatório que eu acerte sempre, que jamais erre.


Então, ao ler o comentário do leitor sobre a Ilha de Man, eu senti um enorme cansaço. Toda uma vida que, me pareceu, é vivida para apenas acertar. Nunca errar. Porque você será imediatamente punido, de uma forma ou de outra. Mas, se acertar, você não ganhará nada. É obrigação. Está implícito no grande contrato social que eu, afinal, nunca assinei.


Este post é apenas um desabafo. De uma exaustão que carrego comigo há tempos. E não vejo mais sentido em tanto acerto se sempre serei cobrado por erros, sejam enormes ou minúsculos. É cansativo. Não almejo condescendência e tampouco recompensas. No entanto, a cobrança milimétrica sobre tudo o que faço cansa. E não tenho mais energia para lidar com isso.


A propósito, sim, me é permitido nomear a Ilha de Man de Ilha do Homem. Eu não inventei a tradução. O engraçado é o nome da ilha. Ou, melhor, tem tudo a ver exatamente com o man.


7 Comentários:

UFM disse...

Acho que entendo o seu cansaço, de ver apontados os erros e esquecidos os méritos, como se acertar fosse a tal nossa "obrigação", portanto indigna de nota ou reforço... Pessoalmente acredito no poder do erro e me cansa muito mais outro tipo de reparo: não aquele que fazem abertamente, com ou sem argumentos, mas a gélida desaprovação que certos olhares traduzem, certas ausências, certas presenças, certos recados... Isso sim me sugou a energia e desse estado não vejo como me recuperar (Olha só o desabafo!!). E é tudo obra de MAN, claro, como a minha forma de sentir e errar e nunca acertar sequer comigo mesma...

UFM disse...

Olha só (sobre "Os Errados"):

http://www.joseluispeixoto.net/2497.html

:-)

P.S.Cadê esse rugido, sai ou não sai?!

Três Egos disse...

Meu pai sempre foi assim comigo também, até tirar sarro das minhas lições de casa ele fazia. Quando passei em uma faculdade estadual ele me deu apenas um aperto de mão. Precisei entrar numa das melhores faculdades públicas para ele de fato me abraçar e me dar um parabéns. Acredito que ele mudou muito durante os anos.

Mas como vc disse, se não é o pai é qualquer outra pessoa nos cobrando cada vez mais. Isto realemnte cansa, estressa, desgasta, mas vamos vivendo...

Força aí!

Beijo!

Redneck disse...

UFM, as desaprovações e as ausências sempre me esgotaram, infelizmente. Sobretudo os olhares escusos, a me obscurecer por completo em momentos em que eu estava claro. Sim, isso sim sugou muito da minha energia. Talvez o estado ao qual você se refira seja também o meu próprio estado, em recuperação que nunca se concretiza. E tudo é, sim, obra do MAN. E dos MEN, por que não? Talvez, ainda como você, eu nunca acerte as contas comigo mesmo e tampouco me congratule pelos meus próprios acertos. Ao contrário, assim como os MEN, eu também privilegie os erros em detrimentos acertos.
Como pode ver, o rugido saiu em mais um lamento, de um cansaço que se estendeu de um post a outro. E tudo um cansaço, una merde de vie.

Redneck disse...

Eros, meu pai e eu, afinal, nunca nos entendemos. E ele se foi sem que isso fosse resolvido entre nós. Acho que, verdadeiramente, nunca nos compreendemos, ele e eu. E quando havia a possibilidade de um acerto, não houve mais vida para isso. É assim a própria vida, não? Sempre adiados, os acertos, o que ficam, no final das contas, são os erros, tanto os meus quanto o de terceiros. Acho que isso tem me pegado pela vida afora. E me sinto errado, mal colocado, equivocado, como se eu mesmo estivesse fora da ordem de um determinado mundo. Talvez esteja mesmo. Beijo!

pinguim disse...

Sobre a ilha de Man (aqui sempre ouvi dizer Man e claro que sabemos que é uma ilha), apenas sabia a sua localização e estava convencido que era território britânico. Nem conhecia a bandeira...
Pessoalmente, a minha opinião é que se deve manter o nome original, pois se fossemos a traduzir literalmente, também a portuguesa ilha da Madeira, se poderia chamar Wood; mas não vou afirmar a pés juntos que isso seja errado, é apenas a minha opinião.
Já estou em total sintonia contigo quanto à facilidade com que apontamos erros e a pouca frequência com que valoramos as coisas acertadas. Isso sucede em todo o lado e com toda a gente, infelizmente.
Beijo.

Redneck disse...

João, o ponto sobre o nome da ilha, de fato, é só para puxar o gancho dos erros e acerto, mais os primeiros do que os segundos porque, afinal, se dizem todos: errar é humano. E acertar, é divino? Vai ver que é e ao man só lhe cabem os erros, portanto. Beijo!

Autor e redes sociais | About author & social media

Autor | Author

Minha foto
Redneck, em inglês, define um homem rude (e nude), grosseiro. Às vezes, posso ser bem bronco. Mas, na maior parte do tempo, sou doce, sensível e rio de tudo, inclusive de mim mesmo. (Redneck is an English expression meaning rude, brute - and nude - man. Those who knows me know that sometimes can be very stupid. But most times, I'm sweet, sensitive and always laugh at everything, including myself.)

De onde você vem? | From where are you?

Aniversário do blog | Blogoversary

Get your own free Blogoversary button!

Faça do ócio um ofício | Leisure craft

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!

NetworkedBlogs | NetworkedBlogs

Siga-me no Twitter | Twitter me

Quem passou hoje? | Who visited today?

O mundo não é o bastante | World is not enough

Chegadas e partidas | Arrivals and departures

Por uma Second Life menos ordinária © 2008 Template by Dicas Blogger Supplied by Best Blogger Templates

TOPO