Blog Widget by LinkWithin
Connect with Facebook

sábado, 12 de junho de 2010

A felicidade como direito previsto na Constituição

Hoje, 12 de junho, sábado, é Dia dos Namorados no Brasil (humpf!). O humpf é meu sinal de consternação. Ainda há pouco vi postagens no Facebook e inclusive uma foto de Santo Antônio (o santo casamenteiro) de cabeça para baixo. Comentaram que deveriam tirar a criança dele para que ele agisse. Eu não sei. Sei de simpatias que ensinam a mergulhar o santo na água e deixá-lo lá até que apareça no horizonte da pessoa que o fez alguma coisa diferente, tipo, uma outra pessoa. Eu não tenho uma imagem de Santo Antônio em casa mas, se tivesse, amarraria a imagem e a penduraria aqui na sacada do meu apartamento e o deixaria suspenso desde o sexto andar, sob o risco de soltá-lo caso não acudisse por mim.




Exageros à parte, o fato é que a data é simbólica. Mas o fato aterrador é que, justamente pela simbologia, te faz olhar no espelho e se questionar. Por que? Por que estou só mesmo? Sou eu ou os outros? Por que? Já desisti de encontrar respostas para perguntas desse tipo.


No tempo em que se acreditava nos deuses do Olimpo, já os humanos acorriam aos favores de um e de outro para obter bens materiais, vitórias e casamentos. Mudou o Olimpo mas não as querências. Os santos modernos, creio, estão muito ocupados em cuidar de outras transações menos mundanas e, inclusive, livrar uns e outros de um fogo que pode arder mais tarde em eterna chama, ouvi dizer. 


Enquanto isso, fico aqui, a me fiar em mandingas pagãs mesmo. No ano passado, matei Cupido porque tive que creditar a ele a ausência de uma figura que pudesse, com poder egoístico, chamar de minha. Este ano, morto Cupido, clamo a Santo Antônio e atribuo a ele a disponibilidade da minha própria pessoa. Li outro dia que artistas e entidades brasileiros criaram uma iniciativa, o "movimento + Feliz", cuja principal meta é defender a proposta de emenda constitucional (PEC) que inclui na Constituição 
Brasileira o direito do(a) cidadão(ã) à felicidade. Uno-me prontamente a esses sonhadores. O movimento, inclusive, tem colhido assinaturas no Congresso Nacional para que a proposta seja efetivamente debatida. A iniciativa quer, sobretudo, que o bem-estar de cada um de nós seja um dever do Estado.




Claro que ter alguém no Dia dos Namorados não está, exatamente, dentro das atribuições do Estado. Mas obrigar o Estado a prover a felicidade é um caminho que a mim muito me agrada porque, tendo a felicidade assegurada em outras áreas, provavelmente (ou não), eu teria um Dia dos Namorados uma escala mais feliz. Talvez...


A iniciativa brasileira não é inédita. A declaração de independência dos EUA, de 1776, prevê o direito da "busca pela felicidade". Os franceses também têm assegurada a "felicidade geral" desde a Queda da Bastilha, em 1789. Outros países tão diversos como Japão e Butão também usam o termo "felicidade" em leis federais. Há quem critique a proposta e ache tudo uma bobagem. Não, não é bobagem. A felicidade deve ser nomeada, chamada, escrita, impressa, falada, gritada e urrada. É tão pouca, a felicidade, que qualquer acréscimo de felicidade, ainda que seja via decreto, será bem-vindo.




O que isso tem a ver com o fato de Santo Antônio não ter feito a parte dele no meu latifúndio? Oras, nada, obviamente. Mas eu bem que poderia usar a lei, se existisse, para fazer um ruído e processar céus e terras, santos e demônios. Não acredito que resolveria algo mas o meu Dia dos Namorados não passaria, uma vez mais, em brancas nuvens, a propósito de céu e santos.


Que droga!

7 Comentários:

Três Egos disse...

Será que te consoloria um pouquinho saber que você naõ está sozinho nesta situação? Acho que, finalmente, eu percebi algo de muito ruim em ter um blog. Todos só falam do maldito dia dos namorados nesta época e, não sei o que acontece, paira sobre o ar cibernético uma onda de amor passível incontrolável que eu nunca vi! rsrsrs... Brincadeira, tudo isto não passa de um desabafo! rs

E gostei de saber desta tal "lei da felicidade". Será que ficaria mais feliz com isto? hehehehe...

Beijo!

pinguim disse...

Só agora sei porque consideram este dia o Dia dos Namorados, aí no Brasil.
Aqui, o dia 13 de Junho, que é o santo casamenteiro, claro, é feriado em Lisboa e noutras terras e há grandes arraiais nos velhos bairros e o desfile das marchas na Avenida.
E há os casamentos de Santo António, que alguém sugeriu, por piada, que este ano fossem alargados às pessoas do mesmo sexo.
Beijo.

pinguim disse...

Eu "dei a volta" ao Sto. António casamenteiro lá no meu blog...

Redneck disse...

Zeus, tu que és detentor de grande poder no Olimpo, com quatro deuses - Eros, Apolo, Hermes (mezzo) e Zeus -, até que me consola ao me fazer saber que não estou sozinho nessa difícil empreitada comercial que é essa data horrível. Ainda bem que passou. E ainda tive o desconsolo de falar com um amigo na Espanha e o tal Dia dos Namorados lá foi esse domingo. Vai parecer TOC mas acho que é perseguição mesmo. Pior que o ar cibernético que envolve a data, é a sensação da vida real que me envolve, seja dia ou não dos tais nomorados. Uma amiga me convidou ontem (sábado) para ir a uma festa de desnamorados. Recusei, polidamente, para não dar a chance de validar a tal data. Espero que você e eu nos arranjemos com ou sem a lei da felicidade. Vou ficar na porta do Glória e cantar aleluia até passar essa fase. Beijo!

Redneck disse...

João, está vendo como a onda é universal? Soube hoje que também o dia 13 é Dia dos Namorados em Espanha. E por causa de Santo António, que coloquei de cabeça para baixo e embaixo d'água. Se vai resolver, não sei. Sei que, por ora, resolvi a minha mágoa com esse santo que, de casamento, está mais para festinhas de arraiás aqui também. Beijo!

Redneck disse...

João, vou lá neste momento saber do que estás a tratar com esse santo tratante. Se bem que comigo ele não tratou nada. Humpf!

Redneck disse...

João, vou lá neste momento saber do que estás a tratar com esse santo tratante. Se bem que comigo ele não tratou nada. Humpf!

Autor e redes sociais | About author & social media

Autor | Author

Minha foto
Redneck, em inglês, define um homem rude (e nude), grosseiro. Às vezes, posso ser bem bronco. Mas, na maior parte do tempo, sou doce, sensível e rio de tudo, inclusive de mim mesmo. (Redneck is an English expression meaning rude, brute - and nude - man. Those who knows me know that sometimes can be very stupid. But most times, I'm sweet, sensitive and always laugh at everything, including myself.)

De onde você vem? | From where are you?

Aniversário do blog | Blogoversary

Get your own free Blogoversary button!

Faça do ócio um ofício | Leisure craft

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!

NetworkedBlogs | NetworkedBlogs

Siga-me no Twitter | Twitter me

Quem passou hoje? | Who visited today?

O mundo não é o bastante | World is not enough

Chegadas e partidas | Arrivals and departures

Por uma Second Life menos ordinária © 2008 Template by Dicas Blogger Supplied by Best Blogger Templates

TOPO