Blog Widget by LinkWithin
Connect with Facebook

domingo, 21 de novembro de 2010

Meu rugido dominical



Existe um conceito chamado "amizade" que, na escala de importância na vida, em minha opinião, perde apenas para aqueles que nos fecundaram e nos deram a própria vida. Amigos nós formamos, feito uma árvore. Que pode ser frondosa ou secar, conforme o trato que se dá a essa árvore ao longo da vida.


Durante esse processo de viver, alguns galhos ficam fortes e criam vínculos profundos que nenhuma tempestade é capaz de podá-los. Outros, mais raquíticos, às vezes caem, se quebram, trincam ou apenas secam e se descolam. É natural, exatamente como ocorre com as árvores.


Ontem, sábado, e hoje, domingo, ouvi de duas amigas que são galhos fortes duas coisas sobre mim mesmo: a primeira disse que sou ouro a ser descoberto. A segunda, que brilho.


Pela centésima vez, antes de tudo, deixa eu contextualizar: sou leonino. Tais predicados, no entanto, longe de me envaidecer e fazer eriçar a juba, apenas me fizeram pensar. E, ao pensar, resolvi interiorizar essas reluzentes opiniões a meu respeito.


Minha amiga que comentou sobre o brilho disse mais. Que temos, ela e eu, esse brilho. E que, se as pessoas que nos interessam são incapazes de perceber tal brilho, devemos passar reto, ir brilhar em outra freguesia. "Porque não temos mais idade para isso", me alertou. Concordo. A grosso modo, temos, ela e eu, urgência. Que a vida urge, rápida, e não há tempo em consumir a chama (ou o brilho) com potenciais velas voláteis, ainda que as velas e chamas sejam, por princípio, voláteis em si mesmas.


O que quero dizer é que entendi perfeitamente o recado de ambas e não estou (e não é de agora) mais disposto a brilhar feito um vagalume perdido no meio do mato. Aliás, nem mesmo o vagalume emite luz sem razão: o inseto o faz para atrair a parceira e, até onde eu entendo do reino dos vagalumes, são bem-sucedidos com seus brilhos.


Então é isso: vou assumir que valho ouro e que brilho. Tanta riqueza assim deve ser desfrutada por quem o mereça. Não, não vou aqui me colocar em um pedestal. Tampouco vou rastejar por migalhas. Quero o que me cabe. Nem mais nem menos. Quero o que mereço. Pelo que sou, pelo que valho. E valho muito. Eu sei. Aproveito para colocar um vídeo que reproduz essa sensação que sinto neste momento:





4 Comentários:

pinguim disse...

O mais importante é termos a exacta noção do que valemos: nem de mais, nem de menos.
Assim sabemos o que podemos contar sobre nós mesmos, do que conseguimos alcançar e das nossas limitações.
Aproveito para dizer que adoro os REM.

Anônimo disse...

Que bom, Red. Entao, vai, brilhe!!!!

Bjo
La V.

Redneck disse...

João, você expõe com sabedoria o que eu quis dizer. Adoro o teu comentário. Beijo!

Redneck disse...

La V, o brilho se manifesta pelas minhas palavras e não pretendo mais me calar, conforme nos falamos ainda ontem (domingo). Beijo!

Autor e redes sociais | About author & social media

Autor | Author

Minha foto
Redneck, em inglês, define um homem rude (e nude), grosseiro. Às vezes, posso ser bem bronco. Mas, na maior parte do tempo, sou doce, sensível e rio de tudo, inclusive de mim mesmo. (Redneck is an English expression meaning rude, brute - and nude - man. Those who knows me know that sometimes can be very stupid. But most times, I'm sweet, sensitive and always laugh at everything, including myself.)

De onde você vem? | From where are you?

Aniversário do blog | Blogoversary

Get your own free Blogoversary button!

Faça do ócio um ofício | Leisure craft

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!

NetworkedBlogs | NetworkedBlogs

Siga-me no Twitter | Twitter me

Quem passou hoje? | Who visited today?

O mundo não é o bastante | World is not enough

Chegadas e partidas | Arrivals and departures

Por uma Second Life menos ordinária © 2008 Template by Dicas Blogger Supplied by Best Blogger Templates

TOPO